Imagem - Ocemg
Notícias

Parceria com a Coocafé transforma palha de café em biochar

17/05/2022
Imagem - Ocemg

No dia 2 de maio, um encontro em Lajinha entre as equipes da Coocafé e da startup francesa NetZero, deu início a um projeto inédito no Brasil que visa implantar no município um sistema que produz biochar utilizando a palha do café.

Em linhas gerais, biochar significa carvão biológico. Ele tem propriedades que geram no solo um ambiente propício a microrganismos que levam nutrientes até a planta, o que o torna um potente fertilizante.

Hoje, um dos grandes desafios da produção cafeeira para a redução de impactos ambientais é a destinação que se dá à palha de café. A prática da queima ainda é comum, porém é altamente poluente e vem sendo coibida pelos órgãos ambientais. A proposta é que, com a implantação da fábrica em Lajinha, os produtores cedam a palha de café, que será processada e transformada no biochar e em energia. Pedro Figueiredo, diretor técnico da NetZero França e presidente da NetZero no Brasil, explica os detalhes e enumera as vantagens ao produtor.

“O biochar utilizado como fertilizante pode aumentar em até 30% a produtividade na lavoura, o que significa um ganho financeiro muito grande”, destaca Figueiredo, pautado em pesquisas científicas esse número. Além disso, ele ressalta que a utilização dos fertilizantes tradicionais representa quase 90% de toda emissão de gás carbônico da cadeia produtiva do café. A substituição de parte desse fertilizante pelo biochar significa também um importante avanço para a redução dessa emissão.

“A proposta do projeto é ceder ao produtor que disponibilizar sua palha um percentual que pode chegar a 50% do biochar gerado. Isso sem nenhum custo a ele”, diz o diretor. “A outra parte será disponibilizada a um preço muito inferior ao de mercado. Enquanto o nosso custo será de R$ 3,00 o quilo, lá fora esse valor gira em torno dos R$ 25,00. E o outro ganho será em energia elétrica gerada pelo processo de queima do gás do biochar. Vamos reverter entre 30% e 50% ao produtor”, conclui.

Para o presidente da Coocafé, Fernando Cerqueira, o projeto é vantajoso em diversos aspectos. “Dentro do nosso propósito, temos como objetivo garantir a sustentabilidade do produtor, família e comunidade. E uma das grandes preocupações da humanidade é o aquecimento global. Esse projeto visa justamente fazer o sequestro de carbono através desse processo especial com a palha”, comenta Cerqueira. “Isso gera uma cadeia onde o produtor ganha e a humanidade inteira ganha, por isso nós abraçamos a ideia”, prossegue o diretor da cooperativa ao comentar sobre os impactos também gerados à região com a atração de investimentos, geração de emprego e renda para as pessoas por meio da implantação da fábrica. “Entendemos que é ousado e temos a possibilidade de ser a primeira fábrica no Brasil de biochar. E a médio prazo, vejo que o produtor poderá também ter o seu selo de Carbono Zero, algo que o mercado vem perseguindo muito”, finaliza.

Imagem - Ocemg

Baixe o Aplicativo do
Sistema Ocemg

Disponível para:
Imagem - Ocemg